JOHN HASPEL GILBERT
violino

JOSEPH HAYDN (1732-1809)
   Trio em MI Maior, HOB. XV-28
   Allegro Moderato
   Allegretto
   Finale-Allegro
 
LUDWIG VAN BEETHOVEN (1770-1827)
   Trio em Sib op. 97- (Archduke)
   Allegro Moderato
   Scherzo- Allegro
   Andante cantabile, ma però con moto
   Allegro Moderato

12H30  l  sexta-feira  l  09 de dezembro

John Gilbert foto.jpg

JOHN HASPEL GILBERT, violinista, é professor na Texas Tech University, em Lubbock, Texas. Apresenta-se regularmente nos Estados Unidos como solista, recitalista e camarista. Recentemente realizou concertos no Brasil, Itália e Inglaterra. É convidado como docente de festivais como Pienza, Green Mountain, Madeline Island, Schlern, Sewanee, BRAVO!, Eastern, Heidelberg, Killington e Spoleto. Além de integrarem importantes orquestras, seus alunos têm se destacado como professores em universidades no Brasil, Estados Unidos e Rússia.

Já atuou como spalla das Sinfônicas de Lubbock, Baton Rouge e Knowville. Como solista, já apresentou os concertos de Mendelssohn, Bach, Beethoven, Berg, Brahms, Bruch, Corigliano, Prokofiev, Sibelius, Vivaldi e Kurt Weill.

Já gravou para os selos Centaur, Naxos and Innova. O mais recente registro, com as Sonatas de Dohnanyi, Samuel Barber e Richard Strauss, foi lançado pelo selo Fleur de Son, em 2018. Sua gravação dos Concertos de Kurt Weill e Alban Berg, com a Baton Rouge Symphony Orchestra pelo selo Sono Luminus recebeu críticas elogiosas nas revistas Fanfare e Gramophone.

Dr. Gilbert estudou nas universidades de Minnesota, Yale e Eastman. Também recebeu bolsas de estudo para o Festival de Aspen. Seus principais professores foram Sally O´Reilly e Charles Castleman. Preparou-se como camerista com integrantes dos quartetos Julliard, Tokyo, Cleveland, Fine Arts eYale, bem como dos Trios Eastman e Rafael.

GEORGE WORK
violoncelo

GEORGE WORK, violoncelista, estudou na Eastman University. Dentre seus principais professores estão Robert Sylvester, Paul Katz, Ronald Leonard, Gabor Rejto e Carol Work.

Em 1981, passou a integrar o renomado Ames Piano Quartet, residente na Iowa State University. Com este conjunto, gravou 14 CDs lançados pela Musical Heritage. Em 2012, com a aposentadoria de dois de seus integrantes, o grupo passou a chamar-se Amara Piano Quartet e em 2016 lançou nova gravação pelo selo Fleur de Son.

Sua trajetória de instrumentista o tem levado a numerosos palcos dos Estados Unidos. Apresentou-se ainda no Canadá, Austria, França, China, Taiwan, México, Cuba e Rússia. Além do Amara Piano Quartet, George Work integra ainda o quarteto de cordas Belin e a Orquestra Sinfônica Des Moines.

George Work.jpg

CRISTINA CAPPARELLI
piano

CristinaCapparellifoto.jpg

Mineira de Uberlândia, CRISTINA CAPPARELLI é professora titular da UFRGS. Diplomou-se no Conservatório Musical de Uberlândia, tendo estudado com Isabel Mourão, Daisy de Lucca, Dirce Knijinick e Camargo Guarnieri. É mestre pelo New England Conservatory, nas classes de Victor Rosenbaum (piano) e Ernst Oster (teoria schenkeriana). É doutora pela Boston University, nas classes de Bela Nagy e Anthony Di Bonaventura.  Já atuou sob a regência dos maestros Fredi Gerling, Antônio Cunha, Isaac Karabtchevsky, Manfredo Schmiedt, Garcia Virgil, Julio Medaglia e Ion Robertson, dentre outros. Gravou inúmeros CDs de obras de compositores brasileiros, incluindo a obra completa de Bruno Kiefer, Alda Oliveira e Jamary Oliveira, além de obras de música de câmara em parcerias nacionais e internacionais. Com a violoncelista Tania Lisboa, gravou a obra completa para violoncelo e piano de Camargo Guarnieri, recebendo críticas elogiosas com destaque para "o tremendo desempenho na parte do piano" (Musicweb International) e com lançamento em recital no Wigmore Hall em Londres. Por duas vezes suas gravações mereceram o Prêmio Açorianos, em Porto alegre. 

Realizou pós-doutorados nas Universidades de Iowa (1996-97) e Conneticut (2012), sendo este último com o psicólogo Roger Chaffin, para estudo sobre a memorização de músicos. Em ambos os casos, os resultados se concretizaram com artigos publicados, bem como em um número expressivo de teses e dissertações de seus orientandos. Por três vezes apoiada pela Comissão Fulbright com bolsa nos EUA, na terceira vez recebeu a Indiana Chair para dar prosseguimento às suas pesquisas e para apresentações artísticas na Indiana University, Bloomington. Pesquisadora do CNPq e com artigos publicados no Journal of Music Education e Journal of Research of Music Education, foi editora convidada da Revista Hodie, da Revista Em Pauta, e atualmente é Co-Editora de um número na prestigiosa revista Frontiers in Psychology-Performance Science. Sempre em busca de novos conhecimentos aplicados à execução pianística e à interpretação musical, mais recentemente, Cristina tem se voltado para o estudo da abordagem Taubman de técnica pianística. Para o biênio 2023/24, é presidente da TeMA, Associação Brasileira de Teoria e Análise Musical.