12H30  l  quinta-feira  l  14 de Março

JÁNOS PALOJTAY

piano

F. LISZT (1811-1886)

Bénédiction de Dieu dans la solitude (1848–53)

 

 

B. BARTOK (1881-1945)

15 Canções camponesas húngaras Sz.71 (1914-18)

 

C. DEBUSSY  (1862-1918)

Images, vol. I (1904-05)

     Reflets dans l'eau

     Hommage à Rameau

     Mouvement

 

 

F. CHOPIN (1810-1849)

Balada n. 4, op. 52 (1842)

Recentemente escolhido pelo proeminente pianista András Schiff para ser um dos três artistas a participar de seu programa “Construindo Pontes” durante a temporada 2017-2018, JÁNOS PALOJTAY nasceu em 1987 em Budapeste e começou a tocar piano aos cinco anos. Aos treze, foi admitido na classe especial para talentos excepcionais na Academia Liszt de Budapeste, onde se graduou em 2011. Posteriormente estudou no Mozarteum de Salzburg e obteve o Konzertexamen na Musikhochschule de Stuttgart, sob a orientação de Kirill Gerstein. Participou de masterclasses ministradas por Ferenc Rados, Murray Perahia e também chamou a atenção de músicos como András Schiff e Dmitrij Bashkirov, dos quais recebeu convites para participar de academias de verão com bolsa integral.

Foi premiado com o terceiro lugar no XVII Concurso Santander, Espanha (2012). Em Budapeste obteve o segundo Prêmio no I Concurso Internacional Chopin, o Prêmio Gundel de Arte (2011) e o Prêmio Bíró Sári Memorial (2004).

Solou junto à Budapest Philarmonic Society, Sinfônica de Miskolc, de Savaria, sob a batuta de Gergely Madaras, András Deák, Oliver von Dohnányi e Christopher Hogwood, em salas como a Ópera Estatal Húngara e o auditório Nacional Béla Bartók. Foi convidado para os festivais Gilmore Rising Stars, nos Estados Unidos (2012), Collegium Musicum, Pommersfelden, Alemanha (2012), Festival de Piano Tiszadob, Hungria (2008) e o Festival de Jovens, na Coréia do Sul (2005). Deu recitais na Salle Cortot, Paris (2013), Sala György Ligeti, Graz (2012), o Piano aux Jacobins, Toulouse (2013), em toda a Espanha e em vários outras salas europeias.

János Palojtay desenvolve, desde à infância, atividades em vários campos da música, como a improvisação e a composição. Como camerista, além de atuar com vários grupos, é membro fundador do Classicus Ensemble, que desde 2010 é grupo artístico em residência na Universidade da Europa Central, em Budapeste. Este conjunto também se apresenta em vários locais, incluindo os Estados Unidos e salas prestigiosas na Hungria. É membro permanente do Ludium Ensemble, grupo envolvido em estudar e executar a música de György Kurtág.