12H30  l  quarta-feira  l  06 de Novembro

MANFREDO KRAEMER

violino e regência

CONJUNTO DE MÚSICA ANTIGA DA USP

DO DIZER SEM PALAVRAS

E DO PINTAR SEM PINCEL

Quadros sonoros de Vivaldi,

Boccherini, Rittler e Telemann

 

 

ANTONIO VIVALDI (1678-1741)

Il cimento dell’armonia e dell’inventione 

“L’Estate“ (O Verão)

     Allegro non molto
     Adagio
     Presto

 

PHILIPP JAKOB RITTLER (1638-1690)

Harmonia Romana                         

     Sonata

     Courante

     Fuga

     Passaggio

     Saltarello

     Allemanda

     Gigue 

 

ANTONIO VIVALDI (1678-1741)

Il cimento dell’armonia e dell’inventione “L’Inverno“ (O Inverno)

     Allegro non molto
     Largo

     Allegro

 

GEORG PHILIPP TELEMANN (1681 - 1767)                

Ouverture-Suite «Les Nations»

     Ouverture

     Menuet I - Menuet II

     Les Turcs

     Les Suisses

     Les Moscovites

     Les Portugais

     Les Boiteux – Les Coureurs

Reconhecido pela revista musical da BBC em 2004 como “um dos violinistas barrocos mais influentes e distintos da atualidade”, MANFREDO KRAEMER (Buenos Aires, 1960) iniciou seus estudos de violino em Córdoba, Argentina. Em 1984, estabeleceu-se na Alemanha, onde estudou na Escola de Música de Colônia e co-fundou a orquestra Concerto Köln em 1985. De 1986 a 1991 foi membro do mundialmente famoso conjunto Musica Antiqua Köln. A partir de então, iniciou uma carreira solo, colaborando com os mais renomados conjuntos barrocos (Les Arts Florissants, Les Musiciens du Louvre, Anima Eterna, Cantus Cölln, Les Ciclopes, Capriccio Stravagante, Tafelmusik, etc.) sob a direção de William Christie, Marc Minkowski, Jos van Immerseel, Frans Brüggen, René Jacobs, Gabriel Garrido, dentre outros. Em 1992, iniciou colaboração com Jordi Savall que perdura até hoje, como parceiro de música de câmara e spalla do Le Concert des Nations. Em 1996 criou o The Rare Fruits Council, um conjunto dedicado a divulgar o repertório barroco esquecido ou pouco conhecido, cujas gravações mereceram inúmeros prêmios e aclamação internacional. Em 2001 fundou a La Barroca del Suquía, considerada uma das melhores orquestras barrocas da América Latina. No mesmo ano começou a organização de um festival anual de música barroca em Córdoba, Argentina. É frequentemente convidado como maestro de orquestras e conjuntos de renome internacional. É também professor na Escola Superior de Música da Catalunha, em Barcelona, ​​Espanha.

O CONJUNTO DE MÚSICA ANTIGA DA USP é um grupo dinâmico e arrojado, formado por músicos especialistas em instrumentos históricos. Em seu 17° ano de atividade, o grupo alinha-se com intérpretes nacionais e internacionais que compartilham da proposta de unir pesquisa musicológica e performance da música dos séculos XVI, XVII e XVIII. A direção do conjunto está a cargo do maestro William Coelho.

Entre os projetos já realizados pelo Conjunto encontram-se a ópera “L’Orfeo” de Claudio Monteverdi (reinauguração do Theatro São Pedro, SP, 2005); o Divertissement “Les Arts Réunis” de Jean-Baptiste Lully, em conjunto com a Mercurius Company, companhia de ballet  barroco  londrina  (2011);  dois

projetos com a renomada violinista barroca Judy Tarling (Royal Academy of Music, 2012-2013);  uma série de concertos dedicada à Música Colonial Brasileira, junto ao coral Audi Coelum e narração da atriz Fernanda Montenegro, sob direção geral de Roberto Rodrigues (2014); dois projetos com o flautista holandês Maurice van Lieshout, estudioso destacado da música quinhentista (2014-2015); concertos junto ao grande fortepianista Malcolm Bilson (2016); o “Requiem” K. 622 de Mozart, em parceria artística com músicos da Argentina e direção de William Coelho (2017), assim como a primeira montagem sul americana da 5ª Sinfonia de Beethoven com instrumentos históricos.