FAUSTO BORÉM
contrabaixo

Obras de Scriabin e Henrique Oswald

12H30  l  terça-feira  l  04 de outubro

Fausto Borem2_edited.jpg

FAUSTO BORÉM é Bacharel em Contrabaixo pela UFMG, Mestre em Contrabaixo (Iowa University, Estados Unidos) e o primeiro brasileiro a receber o Doutorado em Contrabaixo (University of Georgia, Estados Unidos). Criou a Pós-Graduação em Música na UFMG, onde orienta alunos de Bacharelado, Mestrado e Doutorado há quase 30 anos. Tem publicado dezenas de artigos científicos sobre o contrabaixo e centenas de partituras. Foi Primeiro Contrabaixista do Teatro Municipal de São Paulo (com o maestro Isaac Karabitchevsky), Primeiro Contrabaixista da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais (com o Maestro Aylton Escobar), Primeiro Contrabaixista da University of Georgia Symphony e Primeiro Contrabaixista da Sinfônica da UFMG (com o maestro Davi Machado). Foi membro do naipe de contrabaixistas da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais (com o maestro Fábio Mechetti) e de algumas orquestras nos Estados Unidos (Augusta, Savannah, Jacksonville). Compôs e estreou o concerto “Não Atire o Pau no Gato” para contrabaixo e Orquestra Filarmônica de Minas Gerais (com maestro Marcos Arakaki). Tem representado o Brasil nos principais Congressos Mundiais de Contrabaixistas há mais de 20 anos (Paris, Berlim, Londres, Edimburgo e principais universidades norte-americanas), tocando recitais de música brasileira principalmente. Recitais disponíveis no canal Fausto Borém do Youtube.

MARCO RAPETTI
piano

Marco Rapetti_edited_edited.jpg

Após obter seu diploma no Conservatório de Gênova, MARCO RAPETTI continuou seus estudos musicais em Florença, Siena (Accademia Chigiana) e Cremona (Faculdade de Musicologia). Premiado com uma bolsa Fulbright, obteve o Mestrado e o Doutorado na Juilliard School de Nova York, com uma tese sobre metacognição e memória musical. Entre os músicos com quem estudou estão Massimiliano Damerini, Aldo Ciccolini, Seymour Lipkin, Rosalyn Tureck, Albert Fuller, o Trio de Trieste, o Juilliard Quartet. Seguiu também os cursos de cravo ministrados por Alan Curtis na Fondazione Cini em Veneza e especializou-se em Béla Bartók com György Sándor.

Vencedor de vários prémios em concursos nacionais e internacionais (incluindo o William Kapell em Washington e o RAI Chamber Music Competition de 1985), atuou na Europa, América, Japão, Austrália e junto a orquestras sob a regência de Roberto Tolomelli, Joel Sachs, Bruno Ferrandis, Stephen Radcliffe, Simone Bernardini, Michael Hofstetter, Florian Ziemen e outros. Colaborou com músicos e cantores como Massimiliano Damerini, Andrea Dindo, Riccardo Risaliti, Gabriele Pieranunzi, Donald McCall, Riccardo Crocilla, Anthony McGill, Antonella Banaudi, Toby Spence, Massimo Crispi, Daniela Del Monaco, Leonardo De Lisi.

Em 1990 apresentou o Concerto de Stravinsky no Focus Festival de Nova Iorque na presença de John Cage. Em 1991 participou, também no Lincoln Center, das comemorações do bicentenário de Mozart, e em 1994 realizou a primeira apresentação das 36 Fugas (1805) de Antonin Rejcha. Por ocasião do 300º aniversário da invenção do piano (1700-2000), apresentou um concerto-conferência dedicado à história do repertório pianístico italiano desde Cristofori até os dias atuais. Em 2014, realizou a primeira execução nos tempos modernos do Concerto em Lá menor para piano e orquestra de Hermann Levi (1860). Tem sido frequentemente convidado para o Festival Chopin em Paris e, mais recentemente, para o Festival Husum (Alemanha), o mais importante evento europeu dedicado a obras raras para piano. Em 2015, apresentou em Florença e Washington três programas dedicados à música inspirados em Dante Alighieri e na cidade de Florença. Em 2019 tocou a 3ª Sinfonia de Scriabin em duo com Massimiliano Damerini, com quem gravou as obras completas para duo de piano de Debussy (Brilliant Classics).

Rapetti gravou para Fonit-Cetra, Dynamic, Stradivarius, Frame, Phoenix Classics, Naxos e Brilliant. Publicou quatro integrais para piano de autores russos e franceses, redescobrindo composições inéditas de Borodin e Ljadov na Biblioteca Nacional de São Petersburgo e de Dukas na Biblioteca do Congresso, em Washington. Está em preparação a obra completa para piano de César Cui e uma antologia de composições do amigo de Schubert, Anselm Hüttenbrenner. Para a gravadora Naxos, registrou a obra completa para dois pianos de Busoni junto com Aldo Ciccolini e Aldo Orvieto, com quem executou, em 2011, a versão para piano de Alfredo Casella da Sétima Sinfonia de Mahler.

Sempre interessado em formas alternativas de entretenimento em relação ao recital tradicional, idealizou projetos com o pianista de jazz Mauro Grossi, com a atriz Pamela Villoresi, com a psicóloga Valeria Uga, com a cantora de jazz Faye Nepon e vários espetáculos multimídia como o Libro de Sueños, com textos de Borges.

Em 1997 recebeu o Prêmio "Città di Genova" no Palazzo Tursi.

Aos 21 anos começou a lecionar no Conservatório de Milão e na Scuola di Musica di Fiesole (Florença). Foi pianista colaborador na Accademia Chigiana de Siena, assistente na Juilliard School e professor visitante na Universidade do Havaí, no Conservatório Haydn em Eisenstadt e nos Conservatórios de Sydney, Las Palmas (Gran Canaria) e Sevilha. Atualmente é professor no Conservatório de Florença.

Publicou artigos pedagógicos e musicológicos em revistas especializadas em música. Seu livro Scriabin and the Sound-Light foi publicado em 2019 pela Florence University Press.

Em 2019 participou da 26ª Conferência Internacional de Análise e Teoria Musical em Rimini, onde apresentou sua reconstrução da Sonata póstuma em Mi bemol menor de Scriabin. Em 2021, foi convidado a falar na Conferência Acadêmica Internacional organizada pelo Conservatório Rimsky-Korsakov de São Petersburgo, dedicada ao tema da sinestesia e da síntese nas artes.